segunda-feira, 26 de setembro de 2011

11 de setembro. Maior atentado terrorista?

Caros amigos, seguidores e leitores, fecho hoje esta série de três postagens falando sobre o 11 de setembro, dia do maior atentado terrorista da história... Será? É isso mesmo o que vocês estão lendo, acabo de questionar as afirmações da mídia, que afirmam que o 11 de setembro de 2001 foi o dia do maior atentado terrorista já ocorrido na história. O dia que a Al Qaeda revelou a fragilidade da segurança americana e abalou as maiores potências mundiais, demonstrando uma coragem e uma força assustadoras.

Cerca de 3.000 pessoas morreram naquele fatídico dia. Pessoas comuns que naquela manhã iam ao trabalho ou lá já estavam, cuidando de seus afazeres, e viram sua rotina, o seu dia-a-dia, mudar abruptamente por causa de uma ação covarde e desumana. Aviões usados como mísseis atingiram o World Trade Center (símbolo do poderio econômico americano), o Pentágono (símbolo do poderio militar) e outro atingiria a Casa Branca (símbolo do poderio político) não fosse a derrubada de um avião comercial seqüestrado, que hoje a mídia tenta vender como um ato de heroísmo dos passageiros que nele se encontravam.

Mas quando questiono se este seria o maior atentado terrorista da história é porque na verdade não foi. Também numa manhã tranqüila e aparentemente normal, onde pessoas iam ou já estavam no trabalho, crianças nas escolas, outras acabando de se levantar, os Estados Unidos da América realizaram o maior ataque já registrado contra uma população civil. Na fria manhã de 6 de agosto de 1945, uma bomba atômica explodiu sobre a cabeça de milhares de japoneses indefesos, matando instantaneamente cerca de 70 mil pessoas e chegando, anos mais tarde, a impressionantes 240 mil mortos devido a problemas causados pela exposição à radiação. Não satisfeitos com isso, apenas três dias depois, no dia 9 de agosto de 1945, os EUA protagonizaram o segundo maior ataque terrorista da história. Igualmente de forma covarde e desumana, Nagasaki foi alvo de uma segunda bomba atômica. 40 mil mortos na hora e mais 40 mil por causa dos efeitos radioativos.

Dois ataques, estes sim os maiores atentados terroristas da história, protagonizados pela maior nação do mundo, que mataram no total 320 mil pessoas. Mulheres, crianças, trabalhadores, ninguém foi poupado do horror nos ataques nucleares. Mas os EUA se defendem alegando que os ataques foram necessários para acabar com a guerra (2ª Guerra Mundial) e justificando o ataque devido à própria guerra. Balela! A guerra já estava no fim, a Alemanha já tinha se entregado, não existiam motivos para tamanha crueldade. Alguns historiadores especulam inclusive, que o Presidente americano teria ordenado o ataque para justificar os bilhões de dólares investidos no desenvolvimento da bomba. Vejam que absurdo, assassinar 320 mil pessoas para justificar os gastos num armamento. Isso não pode ser verdade. E tem mais, se não considerarmos estes ataques como atentados terroristas porque havia uma guerra, também não poderemos considerar os ataques de 11 de setembro como atos terroristas, afinal de contas a jihad islâmica (guerra santa) já foi declarada contra as maiores potências ocidentais há muito tempo e por diversas facções políticas do mundo islâmico, portanto isso também deveria justificar o injustificável.

A verdade é uma só. O mundo tem que aprender a conviver em paz, as pessoas têm que aprender a respeitar umas às outras, o capitalismo tem que ser rediscutido, pessoas morrem de fome mundo afora enquanto nós nos preocupamos com o que vou vestir hoje ou qual o modelo de celular novo devo comprar. A intolerância religiosa continua fazendo vítimas por todos os cantos do mundo, bem como o preconceito racial e sexual. É necessário que sejamos mais racionais, mais humanos, afinal de contas, para que temos um cérebro altamente desenvolvido?

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

7 de setembro.

Amigos seguidores e leitores, como disse semana passada, hoje vou comentar em breves palavras as comemorações cívicas de 7 de setembro em Bicas, que além de ser o Dia da Independência, também é o dia do aniversário da nossa cidade.

Não é de hoje que escutamos sempre as mesmas reclamações com relação às comemorações desta data. A principal delas, sem dúvidas, a exposição de crianças e adolescentes ao sol escaldante durante a realização do desfile.

Acho que este modelo já esgotou. É preciso ser mais criativo ao comemorar datas tão importantes. Esta história de desfile vem da época da ditadura militar, tempo este que deve ser esquecido por todos nós. Não que eu seja contra a demonstração de respeito e amor à Pátria, muito pelo contrário. Aprendi a ter este respeito e a amar a Pátria dentro das escolas que freqüentei e, principalmente, dentro do movimento escoteiro, onde militei durante quase dez anos da minha vida.

Podemos e devemos sim, no dia da Pátria e de Bicas, hastear as bandeiras e entoar os hinos. Porém, poderíamos também ter um dia diferente, com rua de lazer com diversos brinquedos para as crianças, uma gincana para envolver os adolescentes, um concurso de dança envolvendo os grupos de Bicas e convidados, um concurso de bandas e fanfarras, uma corrida rústica, torneios esportivos diversos e finalizar o dia com um show de qualidade em local público. Estes são poucos exemplos do que poderia ser feito em substituição ao massante desfile de 7 de setembro.

Enquanto não trocamos este filme, vamos agüentando esta chatice.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Últimos acontecimentos.

Caros seguidores e leitores, tanta coisa anda acontecendo ultimamente que o tempo tem sido curto para escrever no blog. O sete de setembro, o onze de setembro, a adesão do Vereador Moisés ao grupo da situação, entre outras coisas.

Vou comentar em ordem cronológica estes eventos nas próximas três semanas, um de cada vez, lembrando sempre que não sou o dono da verdade, apenas expresso minha opinião sobre estes temas. Vou começar hoje pela adesão do Vereador Moisés ao grupo da situação, na próxima semana sobre as comemorações de sete de setembro e, por fim, na terceira semana, tecerei comentários sobre o onze de setembro, que é tratado como o dia do maior atentado terrorista da história.

Há cerca de três semanas, o Prefeito Honório nos deu a notícia de que o Vereador Moisés, o mais bem votado da história de Bicas, teria fechado sua adesão ao grupo da situação. Segundo o Prefeito uma adesão sem compromissos formais, apenas promessas de esforço para elegê-lo Presidente da Câmara em 2012 e a abertura de possibilidade para que ele pudesse ser o candidato a vice-prefeito na chapa da eleição no ano que vem.

Segundo o próprio Moisés, em palavras proferidas na Tribuna da Câmara, o motivo de sua “troca de lado”, seria o pouco caso da oposição, que vinha se reunindo sem ao menos convidá-lo a participar, a falta de proposta para o município e o intuito puramente vingativo que move algumas das suas principais lideranças políticas.

Em minha opinião, tanto as colocações do Prefeito Honório, quanto as do Vereador Moisés, são perfeitas. Ninguém pode negar a importância da adesão de um vereador que teve a votação dele, mesmo sabendo que seria impossível manter seu eleitorado fiel, afinal de contas ele virou as costas para seu próprio tio, o ex-prefeito Barreto, que o ajudou em sua eleição. O Honório, com sabedoria, não prometeu ao Moisés a Presidência da Câmara, até porque não tinha como fazê-lo em nome dos vereadores. Disse também que não prometeria abrir para ele a possibilidade de ser o candidato a Prefeito de seu grupo, até porque isso deveria ser discutido com as demais lideranças, mas disse sim à possibilidade dele ser vice-prefeito na chapa.

Já as palavras do Moisés na Tribuna também foram pertinentes. Pergunto a vocês: qual a proposta da oposição? De que tipo de reuniões eles participam? Quais encontros eles promovem para discutir o município? A resposta para estas perguntas é muito simples e é exatamente o que o Vereador Moisés disse na Tribuna. Eles não têm proposta, apenas projetos particulares de poder a qualquer custo. Basta ver o vale-tudo pelo poder. Há menos de quatro anos vimos a Joelma chamar o Barreto de ladrão e enviar um calhamaço de acusações contra ele ao Ministério Público. Hoje os vemos juntos, reunidos, fazendo articulações políticas (ou seriam armações?).

Em síntese, a oposição se encontra cada vez mais fragilizada, mais refém do egocentrismo de algumas lideranças, mais amontoada de pessoas com pouco caráter. Reconheço que ainda existem muitas pessoas de bem na oposição, mas acho melhor que elas abram os seus olhos para o óbvio. Do jeito que a coisa anda, deixo apenas um recado para eles, os de bem é claro: O ÚTIMO A SAIR DESLIGUE O INTERRUPTOR, PARA QUE APENAS OS DE BEM PERMANEÇAM NA LUZ.