quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Explicando melhor o último texto.

Caros amigos, seguidores e leitores, hoje vou comentar o meu último texto e mostrar a vocês minhas deduções, as quais levaram-me a tomar a decisão de me afastar definitivamente do “grupo” do Prefeito Honório.

Para começar vou explicar o porquê de “grupo” vir sempre escrito entre aspas, como vocês puderam notar. Já comentei no outro texto que este “grupo” é fictício e é utilizado quando há interesses difíceis de serem explicados. Por exemplo, o Honório disse ao Rafael Aquino e ao Ricardo Rossi, na presença do Fernando, que parte do “grupo” não aceitava a candidatura da Léa e por este motivo ela não deveria ser a candidata apoiada por ele, repetindo a mesma afirmação à Léa. Ora, em conversa com algumas das principais pessoas que estiveram à frente das campanhas de eleição e reeleição do Honório (Alex Mendes, Denisy Durão, Luisinho Sales e Chiquinho Sales) fiz a eles o seguinte questionamento: se a Professora Léa fosse apoiada pelo Prefeito Honório vocês a apoiariam? A resposta foi unânime: sim. Já para a Vereadora Beth perguntei se ela teria sido consultada sobre a questão, isso na presença do Fernando, e ela disse que não. Não posso deixar de dizer que o Fernando, imediatamente, disse que já teria ouvido da boca da Beth tal afirmação e ela se calou. Em outra conversa, esta na presença do Rafael Aquino, do Ricardo Rossi, do Vereador Magela, além de mim e da própria Léa, tentou-se um acordo entre o PT, o PMDB e o PTB, tentando dali tirar um candidato de consenso dos três partidos entre os nomes do Magela, do Ricardo e da própria Léa, donde se deduz, portanto, que não havia nenhuma restrição ao nome da Léa por parte dos dois representantes do PMDB. Notem então, que citei aqui rapidamente o nome de sete pessoas que ou não foram consultadas sobre o assunto ou não se posicionavam radicalmente contra a possível candidatura da Professora Léa. Ah, isso sem contar o Dondinho, Secretário de Meio-ambiente, que, ao ser perguntado pela própria Léa, na presença do Professor Leonardo Faria, disse que não havia sido consultado sobre o assunto e que não concordava com a manifestação em nome dele. Vou parar por aqui, me ater somente a estes nomes, isso porque havia outros interlocutores presentes e assim fica mais difícil desmentir os fatos, mas deixando claro que fiz este mesmo questionamento a diversos outros membros do “grupo” e a resposta foi sempre negativa.

O que eu quero dizer com isso tudo? Que o “grupo” depende única e exclusivamente da vontade do Prefeito Honório, o resto não importa. Até aí tudo bem, acho natural que o Honório tenha preferência pela candidatura do Fernando, não vejo nada demais nisso. O problema é usar o “grupo” como escudo para esconder a própria decisão. Uma decisão unilateral, despótica, antidemocrática e, porque não, irresponsável. Isso mesmo, irresponsável, afinal de contas qual de vocês, amigos pessoais do Honório, já não ouviram ele criticar a postura de seu Secretário de Obras. Estou falando aqui para os amigos íntimos ou companheiros próximos do Prefeito Honório que, assim como eu, já ouviram ele dizer que antes de pensar em ser Prefeito de Bicas o Fernando deveria dar um “jeito” em sua vida.

Dito tudo isso, volto-me agora para outra questão intrigante: a suspensão das pesquisas de intenção de voto. Se vocês se lembram, o acordo era realizar cinco pesquisas e, em março deste ano, quem se colocasse melhor entre os três candidatos (Volney, Fernando e Léa), ou entre quaisquer outros que surgissem até meados de outubro de 2011, seria o candidato do “grupo”. Minha dedução a respeito é a seguinte: o Honório não contava com o desempenho eleitoral da Léa, que apareceu na frente nas duas primeiras pesquisas entre os três nomes e, pior que isso, não contava com a rejeição gigantesca ao nome do Fernando. Daí em diante ele resolveu suspender as pesquisas e sair a campo para tentar baixar a rejeição de seu discípulo. Trabalharam muito, muito mesmo, mas não adiantou. Fizeram uma pesquisa interna no PMDB que o “grupo” não poderia ter acesso, só o PMDB e, é lógico, o fomentador da candidatura Fernando do Joca, o Prefeito Honório do PSDB. Infelizmente um único resultado vazou e, no meu modo de entender, o mais importante de todos, a imensa rejeição do Fernando Secretário de Obras, que é o mesmo Fernando do Joca que o Honório aconselhou na nossa frente a mudar o nome na pesquisa para ver se surtia algum efeito. Não surtiu, pelo contrário, à medida que o pleito se aproxima ela cresce. Nesta pesquisa do PMDB ficou por volta dos 40%, segundo uma fonte ligada à direção do partido.

Na verdade, teria muito mais coisas para contar, mas acho que só isso basta. O que eu quero demonstrar a vocês é o seguinte: 1º- o Honório está pouco se lixando para o futuro da nossa cidade, só pensa na manutenção e na proximidade com o poder, algo que com a Professora Léa realmente seria mais complicado. 2º- o “grupo” se resume a Honório e Fernando e mais ninguém.

Para completar o raciocínio, deixo algumas perguntas que os membros do “grupo” podem tentar responder. Quem do “grupo” foi consultado, antes da indicação oficial do nome do Fernando como o candidato à sucessão, sobre esta decisão? Quando o “grupo” se reuniu depois da segunda pesquisa para discutir a questão? Quem do “grupo” foi consultado antes da adesão do Moisés à situação e quais foram as bases deste acordo que ninguém conhece? Porque o acordo das cinco pesquisas foi quebrado? Porque o “grupo” não se reuniu mais depois que o interesse do Prefeito não prevaleceu nas pesquisas? Porque falar a verdade é tão difícil para algumas pessoas?

Por hoje é só, vou ficando por aqui, mas sei que terei de voltar neste assunto em breve. Depois que as pessoas lerem o que aqui está postado, várias outras perguntas vão surgir e eu as esclarecerei sem nenhum rancor ou ódio. Política é assim mesmo, diriam alguns. É, realmente é, mas enquanto eu tiver forças para lutar para que estas práticas terminem vou lutar. No dia em que eu desistir vocês poderão deduzir duas coisas: ou eu realmente cansei da luta e já não conseguia enxergar mais perspectivas de mudanças, ou as coisas melhoraram muito.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Procurando novos caminhos.

Caros amigos, seguidores e leitores, hoje vou contar para vocês os desdobramentos da sucessão municipal e mostrar a vocês tudo o que está acontecendo dentro do “grupo” da situação. Vou evitar emitir comentários pessoais sobre os acontecimentos, vou apenas relatá-los para que vocês tirem suas conclusões.

Em março de 2011 o Prefeito Honório reuniu parte de seu secretariado, os vereadores da situação e alguns diretores da Prefeitura. Na ocasião ele disse que iria conduzir o processo da sucessão, tentando fazer o melhor para que o “grupo” saísse mais uma vez vitorioso nas eleições de 2012. Na reunião ele disse que iria fazer cinco pesquisas de opinião pública e que, no máximo em março de 2012, o melhor dentre os nomes apontados seria declarado como pré-candidato. Três pessoas colocaram seus nomes para serem analisados: Professora Léa Castro (PT), Fernando do Joca (sem partido à época) e Volnei Sarto (PMDB). Perguntado pelo Vereador Gilson Mattos (DEM) como seria a escolha do candidato a Vice-prefeito, Honório disse que isso seria definido pelo pré-candidato apontado.

Em junho/julho saiu o resultado da primeira pesquisa. Não posso dar números porque foi o combinado na reunião, mas posso dizer que nesta pesquisa não foi avaliado o índice de rejeição dos candidatos e, no quadro onde avaliava a aceitação dos três, somente entre os três pré-candidatos do “grupo”, para a surpresa de muita gente menos para mim, a Professora Léa apareceu na frente dos outros dois pré-candidatos. Com relação ao Fernando do Joca a diferença ficou dentro da margem de erro, mas com relação ao Volnei a diferença foi altamente significativa.

Em setembro foi feita uma segunda pesquisa e o resultado foi que novamente a Professora Léa apareceu na frente, desta vez aumentando em um ponto percentual sua diferença em relação ao Fernando, porém, continuando dentro da margem de erro. Já com relação ao Volnei a diferença caiu um pouco, mas continuou sendo altamente favorável à Léa.

Mais uma vez o Honório reuniu o “grupo” e aí ficou decidido que a próxima pesquisa seria feita em meados de outubro, após o fechamento do prazo limite para as transferências de partidos. Também se definiu que qualquer partido que quisesse apresentar nomes para concorrer à sucessão, deveria fazê-lo até esta pesquisa, depois disso iríamos seguir com as pesquisas até a definição final do candidato sem que novos nomes pudessem surgir, afinal de contas isso não seria justo com quem já estava se expondo como possível candidato.

Daí em diante não houve mais reuniões do “grupo”, porém muitas decisões foram tomadas. O Moisés aderiu ao “grupo” numa reunião com o Honório sem a presença dos pré-candidatos Léa, Fernando e Volnei. A pesquisa de outubro não aconteceu, o Fernando se filiou ao PMDB, o PMDB apresentou ao Honório um novo pré-candidato, o Ricardo Rossi, e o Moisés foi levado pelo Honório à condição de Presidente da Câmara. Todo este turbilhão de acontecimentos sem uma única reunião do “grupo”, que aliás até hoje, dia 9 de fevereiro, não voltou a se reunir.

Como disse no início, não vou comentar estes fatos, mas tenho minha própria avaliação do que significa tudo isso, ou que interesses motivaram todas as ações ou não ações ocorridas desde a segunda pesquisa eleitoral feita pelo “grupo”. A única coisa que posso adiantar para todos os seguidores e leitores deste blog, é que já comuniquei minha decisão a quem realmente merecia satisfações de minha parte e, deste momento em diante, independente de quem seja o candidato apoiado pelo “grupo” do Prefeito Honório, eu não estarei junto nesta caminhada.

Mais uma vez faço questão de frisar que esta é uma decisão pessoal, que não falo por mais ninguém, nem pelo meu partido, nem pela Léa, nem por quem quer que seja.