quinta-feira, 10 de julho de 2014

Eleições à vista.


Caros amigos, seguidores e leitores, terminada a Copa do Mundo, pelo menos para nós brasileiros, aponta no horizonte uma nova eleição que definirá os mandatários para os próximos 4 anos no Palácio do Planalto e na Cidade Administrativa.

O papel de todo brasileiro é analisar sem paixões o que é bom para o Brasil e para Minas Gerais, além de pensar no que é bom para si mesmo, afinal é legítimo defender seus próprios interesses.

Não vou entrar na discussão rasa da política sobre corrupção e outras mazelas. A corrupção existe, existiu e existirá sempre. Ela é inerente ao ser humano, onde houver seres humanos haverá corrupção. Não é um privilégio do Brasil, existe em todo lugar no mundo, basta olhar o ranking da Transparência Internacional.

O que precisa ser colocado e debatido é o que devemos e podemos esperar do futuro. Para isso, acho que um bom indicativo é ver o que já foi feito por cada um dos candidatos enquanto detentores de mandato. Tanto a eleição nacional quanto a estadual deverão ser decididas mais uma vez entre PT e PSDB. Para este embate nada melhor que fazermos uma comparação de ações governamentais dos dois partidos, até porque temos um no comando nacional e outro no comando do Estado há 12 anos.

E o parâmetro principal para melhor analisarmos as ações dos dois partidos no Brasil e em Minas Gerais é, logicamente, Bicas, nossa cidade.

De 2002 para cá, Bicas conheceu uma avalanche de programas e ações federais implantadas pelos governos do PT, senão vejamos: Bolsa Família, Programa de Atenção Integral à Família, Programa Agente Jovem, Projovem Adolescente, EJA, PROEJA-Fic, Pronatec, PROUNI (onde muitos jovens biquenses são beneficiários e estudam em Juiz de Fora), UAB (Universidade Aberta do Brasil), IFET (Instituto Federal Tecnológico), Farmácia Popular, Caminhos da Escola, SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência, CRAS (Centro de Referência em Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado em Assistência Social), PAC, entre outros. Isso sem contar ainda com a política de valorização do salário mínimo que mudou a pirâmide social brasileira e garantiu aos mais pobres uma elevação de sua qualidade de vida.

Em contrapartida, se vocês me pedirem para citar programas ou ações do Governo do Estado, neste mesmo período, que impactaram positivamente de alguma forma Bicas, ficarei sem saber responder. Quem se habilita?

As eleições estão aí e o debate é necessário.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Curtinhas: Creche e Posturas.


COMISSÃO DE REVISÃO DO CÓDIGO DE POSTURAS

Depois de sete reuniões, continua avançando a revisão do nosso Código de Posturas, cujo nome deve passar a ser Código de Convivência Democrática.

Alguns assuntos, no entanto, os mais polêmicos, aguardavam pelo deferimento da Mesa Diretora pela realização de pesquisa de opinião pública, solicitada pela Comissão. Alegando ser caro e ineficaz o Vereador Presidente Ailton Mendes (PSDB) negou o pedido. Depois de argumentações dos membros da comissão, o Presidente se dispôs a rever a posição, desde que o orçamento seja inferior ao apresentado junto ao pedido.

Para ajudar mais a embasar a comissão na discussão destes assuntos, enquetes estão sendo colocadas na rede social Facebook na página da Comissão Especial de Revisão do Código de Posturas. Acesse e opine.

 

COMISSÃO DE INQUÉRITO PODE TERMINAR EM PIZZA

Por causa de decisão do Presidente da Câmara Municipal, Vereador Ailton Mendes (PSDB), a Comissão de Inquérito instituída para investigar os prováveis erros na construção da Creche pode terminar sem um relatório conclusivo.

Ocorre que nos primeiros depoimentos tomados, várias contradições foram detectadas. Segundo o dono da empreiteira, tudo foi feito seguindo rigorosamente o projeto licitado. Porém, trabalhadores da obra disseram, entre outras coisas, que as ferragens utilizadas na fundação não eram compatíveis, que a massa utilizada não foi adequada e ainda, que quando questionado sobre o não cumprimento do estabelecido, o empreiteiro teria dito que “não tem problema, meus filhos não vão estudar aqui”.

Diante disso, a Comissão solicitou à Mesa Diretora a realização de perícia técnica para avaliar o cumprimento do projeto e determinar quais foram e quem cometera os erros que culminaram com o fechamento da creche. Para surpresa dos membros o pedido foi negado pelo Presidente, alegando mais uma vez que os gastos seriam muito altos.

Questionado sobre as Sessões Solenes de entrega da Comenda Biquense, realizada em agosto, e de outorga de Títulos, que ocorre em dezembro, o Presidente confirmou a realização de ambas. Detalhe: em 2013 foram gastos R$ 40.000,00 nestas sessões.

Sem a realização da perícia, será impossível chegar a um relatório definitivo sobre o desastre completo que foi a construção da Creche Municipal, que consumiu mais de um milhão e duzentos mil reais.