quinta-feira, 23 de abril de 2015

Mudou? O quê? Foi suficiente?

Caros amigos, seguidores e leitores. Hoje farei uma reflexão a respeito do atual Governo e das mudanças promovidas na Administração, discutindo se isso foi ou não o suficiente para melhorar a gestão. É preciso destacar que esta visão é minha e que não sou dono da verdade, mas tenho opinião e não tenho receio de demonstrá-la.

Como são diversas as abordagens, farei isso nos próximos textos, discutindo cada um dos assuntos, avaliando e procurando ser o mais isento possível na avaliação. Alguns dirão que estou sendo partidário ou sendo exigente demais. A única intenção, no entanto, é tentar mostrar os avanços e as regressões da atual gestão.

Hoje vou fazer uma avaliação sobre a saúde. Melhorou? Sim, em alguns aspectos, porém muita coisa ainda precisa avançar. Os problemas da atual gestão são exatamente os mesmos que existiam na gestão passada. Falta de medicamentos na farmácia básica, falta de médicos e estrutura no Hospital São José (HSJ) e atrasos na realização de exames e consultas. Existem outros problemas pontuais, mas resumidamente os principais são estes.

Pontuando esta lista de problemas, apenas vou dizer o que foi feito para tentar melhorar esta situação:

1)     Em relação à falta de medicamentos, o problema está na falta de gestão, no descontrole na distribuição e na “dependência” das relações com o Estado e o CIESP. Para isso será implementado um novo programa de gestão, que fará todo o controle de distribuição destes medicamentos. Será suficiente? Não sei. Acredito que se o sistema for alimentado corretamente, evitaremos o desperdício de medicamentos e conseguiremos controlar melhor as compras e a distribuição. Já sobre a “dependência” do Estado e do CIESP, me refiro aos atrasos na entrega de diversos medicamentos provocados por estes dois entes, no que, infelizmente, não temos muito como interferir, mas quando eu tratar a respeito da questão fazendária do Município, este tópico merecerá referência.

2)     Hospital São José? Continua a mesma novela. Alguns acham que o problema é dinheiro, outros que é gestão. Atitudes precisam ser tomadas para que o HSJ saia do vermelho. A atual Administração aumentou muito os repasses ao hospital. Nos primeiros dois anos deste mandato a Prefeitura repassou mais recursos ao HSJ do que todo o mandato anterior. Onde está o problema então? Na falta de auxílio do Estado no custeio da entidade e, obviamente, na gestão do HSJ. Gestão esta que não tem relação com a Prefeitura, que compra um serviço e espera eficiência na prestação dele. Se o HSJ vende o serviço por um preço aquém do que deveria, o problema está nele e não na Prefeitura.

3)     Já o problema dos exames e consultas passa por várias questões, entre elas a falta de transparência nas filas de espera que, apesar da Lei Municipal nº 1.714/2014 de minha autoria determinar o livre acesso a esta informação, algumas pessoas ainda amargam longa espera sem saber quando serão atendidas. Temos ainda a falta de profissionalismo de alguns médicos, que intencionalmente carregam o sistema, e também a enormidade de pedidos de consultas e exames aos quais os pacientes não comparecem. Aqui as questões fazendárias também são importantes e impedem uma melhoria no atendimento, mas isso fica para depois.

Bem, listados acima os problemas que persistem, destaco algumas coisas que melhoraram muito. Por exemplo, o atendimento especializado aos diabéticos, o PamDia, implementado na atual gestão e que tem à frente o Dr. Ricardo da Silva, endocrinologista respeitadíssimo na cidade. Temos também o Saúde do Trabalhador, programa de atendimento médico alternativo que funciona no horário de 16 às 22 horas na Policlínica. Temos o SAMU, implementado em meados de 2013, que proporciona atendimento de qualidade às urgências e emergências, bem diferente do que ocorria antes. Além de outras ações pontuais da Secretaria de Saúde.


Resumindo, algumas ações novas ampliaram os serviços de atendimento à saúde, porém, como os gargalos continuam existindo da mesma forma que existiam antes, acredito que a saúde continua deixando a desejar, necessitando de um olhar mais atento da Administração. Minha avaliação, portanto, é que a saúde melhorou em termos de ampliação de serviços, porém, os problemas crônicos que desidrataram a Administração anterior continuam presentes na atual. Respondendo as perguntas principais do título. Mudou? Sim, mudou. Foi suficiente? Não, precisamos de mais.